PT - Partido dos Trabalhadores

07/11/2018 | News release | Distributed by Public on 07/11/2018 15:50

‘Com Lula, academia brasileira passou a ser respeitada lá fora’

[Attachment]

Escritora Ligiana Costa durante homenagem a Lula na Itália

'Este prêmio é dedicado a Luiz Inácio Lula da Silva, o nosso presidente. Uma pessoa que nunca frequentou formalmente a universidade, e, no entanto, construiu dezessete universidades públicas e encontrou um modo de fazer com com que este lugar fosse aberto a tudo e a todos.'

O discurso em homenagem ao ex-presidente Lula foi proferido pela escritora, cantora lírica e pesquisadora brasileira Ligiana Costa, no último domingo (8), na Itália, durante a entrega do Prêmio Flaiano de Literatura, na cidade de Pescara, na Itália. A escritora foi premiada pelo livro 'O Corego', que aborda representações cênico-musicais italianas no século XVII.

O ato político, segundo Ligiana, já estava planejado, mas, 'por acaso do destino', a premiação coincidiu com o dia em que a libertação de Lula foi determinada pelo desembargador Rogério Favreto, mas impedida pelas manobras jurídicas articuladas pelo juiz de primeira instância Sérgio Moro.

'Eu não faço nada sem me posicionar politicamente, então já estava tudo organizado. Trouxe do Brasil [para a Itália] o xale escrito 'Free Lula' [ Lula Livre, em português], e a premiação coincidiu com o dia em que ele quase foi libertado, então a manifestação ficou ainda mais potente', conta Ligiana.

O Flaiano é uma das principais premiações literárias da Itália e, por isso, o evento contou com a presença massiva de jornalistas e artistas de diversas áreas, o que colaborou com a repercussão do ato político, como relata a escritora.

'Parece que isso deu uma chacoalhada na forma que a imprensa italiana fala do Lula. No fundo, foi uma ação coletiva feita por uma pessoa', completa.

Parte da experiência acadêmica de Ligiana foi na Europa, em países como Holanda, França e Itália. Ela concluiu seu pós-doutorado em 2016, na Universidade de São Paulo (USP) com bolsa federal, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

A jornada fora do país começou antes mesmo do primeiro governo de Lula, quando o Brasil ainda era visto como um país de Terceiro Mundo, como descreve a pesquisadora. Ela destaca, que as mudanças foram notórias a partir de 2003, quando Luiz Inácio assumiu a Presidência.

'Quando morei pela primeira vez na Europa, o Brasil era uma coisa desinteressante, exótica. Na época do Lula, a arte brasileira passou a ser considerada, a academia brasileira passou a ser respeitada lá fora. Me lembro que amigos franceses e italianos, de esquerda e direita, falavam do Lula como um sonho, um personagem que eles também queriam ter', afirma.

Mesmo longe, Ligiana acompanhava os avanços das políticas sociais e também foi beneficiária dos incentivos que voltados para o desenvolvimento de pesquisas no exterior. Hoje, ela lamenta o desmonte dessas iniciativas, que começou com o golpe que destituiu a presidenta legitimamente eleita, Dilma Rousseff.

'A gente tem que entender que a pesquisa, a arte, a cultura, quando apoiadas, elas existem. Infelizmente, hoje em dia, o que vemos é a decadência de tudo isso que foi construído nos governos Lula e Dilma', finaliza.

Confira o vídeo com a homenagem a Lula

Por Geisa Marques, da Comunicação Elas por Elas